Cada tonelada de cimento produzida com um fator de clínquer maior do que o especificado é dinheiro jogado fora. Por outro lado, cada tonelada de cimento produzida que não atenda ao fator de clínquer indicado também é dispendiosa. No passado, os produtores de cimento preferiam ser cautelosos e incluir mais clínquer do que o necessário para atender às especificações. 

Mas com a urgência de limitar o impacto da mudança climática, tornou-se mais importante do que nunca garantir que o uso de clínquer seja otimizado. 
“Não há dúvida de que otimizar o fator de clínquer seja uma vitória rápida e uma maneira eficiente de melhorar a pegada ecológica da produção de cimento”, disse Dr. Benecke, gerente de produção da fábrica de Höver, que faz parte da LafargeHolcim, uma das empresas de cimento com maior consciência de carbono do mundo.  
Veja este exemplo: uma fábrica produz cimento CEM I com um fator de clínquer especificado de 95% a 100%. Quanto mais perto a fábrica chegar de um fator de clínquer de 95%, menor será seu custo operacional e sua pegada ecológica. 

Na verdade, uma fábrica de cimento de 3.000 tpd que aproxima o fator de clínquer de seu cimento apenas um ponto percentual mais perto do limite inferior da faixa especificada reduziria suas emissões de CO2 em 23 toneladas por dia, o equivalente às emissões de um Volkswagen Passat dirigindo em torno do planeta 4,6 vezes.  

Na fábrica de cimento de Höver, otimizar o fator clínquer se tornou uma jornada diária em direção a uma produção mais sustentável. Ajudando a fábrica em seu caminho está o novo FLSmidth QCX Centaurus que combina moinho e prensa. Responsável por preparar amostras automaticamente para análise, o Centaurus pode não ser a peça de equipamento mais glamorosa ou mais inteligente em uma fábrica de cimento. É mais um burro de carga do que um puro-sangue árabe. Mas isso não o torna menos vital.  

O QCX Centaurus é capaz de preparar cerca de 60 amostras individuais adicionais por dia em comparação ao sistema anterior usado na fábrica de cimento de Höver. E quanto mais amostras preparadas e analisadas, melhor o panorama que a fábrica tem do cimento produzido e a capacidade de garantir uma qualidade consistente.  

“Com os equipamentos modernos de amostragem, preparação e análise, somos capazes de ajustar continuamente as composições do cimento e nos manter constantemente na meta para o tipo de cimento que estamos produzindo”, continua Dr. Benecke.  

A capacidade de amostragem adicionada também oferece outros benefícios.  

“O aumento do rendimento das amostras com o QCX Centaurus garantiu um controle melhor do processo do forno e minimizou o buffer de segurança no controle do processo, de modo que experimentamos uma eficiência maior — na faixa de cerca de 2% — levando a emissões mais baixas e economia de combustível. Amostras consistentes também são um pré-requisito inevitável para o controle de qualidade, quando combustíveis alternativos são usados”, explicou Dr. Benecke. 

O FLSmidth QCX Centaurus fornece qualidade de amostra consistente reduzindo a contaminação cruzada a um mínimo. É fácil de usar, com um design modular e acessível, projetado para fácil manutenção no ambiente de laboratório que frequentemente apresenta espaço limitado. Além disso, sua flexibilidade permitiu uma integração e interação perfeitas com a infraestrutura de laboratório existente. 

“O Centaurus é conhecido por sua qualidade, capacidade, facilidade de uso e confiabilidade na preparação de amostras”, disse Michal Krsek, gerente de produto da FLSmidth. “Essas qualidades ajudam a trazer novos níveis de consistência e qualidade às operações de cimento com benefícios que vão além do resultado financeiro para ajudar a abordar o desafio mais urgente que a indústria enfrenta: a sustentabilidade.” 

Contacto

Eduardo Kenji 

Sales Manager - SPA Cement, PCO & Gas Analysis - South America
eduardo.tateyama@flsmidth.com

Stories from FLSmidth